Número de queimadas detectadas de janeiro a setembro no AM já representa 77,6% do total registrado em 2018

0
63

Dados do Inpe apontam que 8.893 pontos de calor foram detectados até esta quinta-feira (5).

O Amazonas registrou 8.893 entre os dias 1º de janeiro de 5 de setembro deste ano. O dado, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), corresponde a 77,6% do número total registrado em 2018, quando foram notificados 11.446 focos.

As informações são obtidas por meio do Programa Queimadas, que monitora focos ativos em todo o país. No Amazonas, o mês de agosto bateu o recorde de focos de calor ativo registrados desde o início dos registros do governo federal, em 1998 – com 6.669.

O recorde anterior relacionado ao mês de agosto foi registrado em 2005, quando foram detectados 5.981 focos ativos. Nos últimos quatro anos, os índices registrados ultrapassaram 11 mil casos.

2015: 13.419 focos

2016: 11.173 focos

2017: 11.685 focos

2018: 11.446 focos

Nos primeiros sete meses do ano, a cidade de Apuí liderou o ranking de cidades que apresentaram a maior quantidade de focos de calor, com 673 registros.

No dia 24 de agosto, manifestantes protestaram em Manaus contra a destruição e o aumento das queimadas na Amazônia.

Multas

Nesta quinta-feira (5), dois empreendimentos – em Apuí e Humaitá – foram multados em R$ 1,7 milhão durante uma operação de combate às queimadas e desmatamento ilegal no Sul do Amazonas. Um dos locais é uma serraria, que foi embargada na quarta-feira (4) e já havia sido multada em R$ 2,6 milhões.

No dia 23 de agosto, o proprietário de um sítio também foi multado em R$ 4 milhões por desmatar ilegalmente uma área de 27 hectares. Para auxiliar nas autuações, o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) utiliza uma nova tecnologia, que identificou responsáveis por desmatar 99.869,8 hectares no Sul do Estado e na Região Metropolitana de Manaus (RMM).

Força-tarefa

Por meio da Operação Curaquetê, 800 agentes de órgãos ambientais do Amazonas foram enviados no dia 30 de agosto para o Sul do estado, no intuito de reforçar as ações de combate às queimadas na região, que está em situação de emergência. O Exército também enviou tropas que devem permanecer no estado por, pelo menos, 60 dias.

Para o diretor presidente do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Juliano Valente, a maior parte dos focos de queimadas no estado este ano foram causados por pessoas de outros estados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui