Manaus tem a maior taxa de desocupação, aponta pesquisa.

0
79

A taxa de desocupação em Manaus cresceu 1,5% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o último trimestre de 2019. O índice de 18,5% é o maior dentre as capitais do Brasil.

As Taxas de Desocupação, tanto em Manaus como no Estado do Amazonas, sofreram altas, no primeiro trimestre de 2020. Na capital, Manaus, no primeiro trimestre deste ano, a Taxa foi de 18,5%, 1,6 pontos percentuais (p.p) maior do que a Taxa registrada no último trimestre do ano passado (16,9%), e a maior dentre as capitais do País. A segunda maior taxa registrada foi a de Salvador (17,5%) e Macapá (17,3%).

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), divulgada nesta sexta-feira (15) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na Região Metropolitana de Manaus, no primeiro trimestre do ano, a taxa de desocupação subiu 1,5 pontos percentuais em relação ao quarto trimestre de 2019, registrando 17,1%. No Estado do Amazonas, a alta na taxa de desocupação foi de 1,6 pontos percentuais no primeiro trimestre do ano, quando registrou 14,5%, em relação ao quarto trimestre do ano de 2019 (12,9%). No trimestre de janeiro a março de 2020, comparado ao mesmo período de 2019, entretanto, o Amazonas registrou queda de 0,6 pontos percentuais (p.p) no percentual de desocupação.

Em relação às outras unidades da federação, o Estado do Amazonas, com a taxa de desocupação de 14,5%, ocupou a 10ª posição dentre as maiores taxas. As maiores taxas registradas foram nos estados da Bahia (18,7%), Amapá (17,2%) e Alagoas (16,5%), e as menores foram as de Santa Catarina (5,7%), Mato Grosso (7,6%) e Paraná (7,9%).

Em comparação com as outras capitais, a taxa de desocupação registrada em Manaus (18,5%) é a maior entre todas as 27 Unidades da Federação. As maiores taxas registradas foram as de Manaus (18,5%), Salvador (17,5%) e Macapá (17,3%), e as menores taxas, as de Goiânia (7,2%), Campo Grande (8,5%) e Florianópolis (8,8%).

A taxa de desocupação no total do País no primeiro trimestre foi de 12,2%, ante 11,0% no quarto trimestre de 2019. No primeiro trime stre do ano passado, a taxa de desocupação era de 12,7%.

O Pará registrou a maior taxa de informalidade no primeiro trimestre de 2020, 61,4%. O segundo mercado de trabalho mais informal foi o do Maranhão, com 61,2%, segundo dados da Pnad Contínua.

No primeiro trimestre de 2020, o País tinha 3,1 milhões de pessoas em busca de emprego por dois anos ou mais.

No quarto trimestre de 2019, esse contingente era de 2,9 milhões de desempregados em busca de uma vaga há tanto tempo. Em um trimestre, 200 mil pessoas a mais passaram a essa condição.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui