Homem suspeito de atirar em companheira se apresenta; ele alega legítima defesa.

0
72

Segundo Jucimar da Silva Paixão Leite, ele tinha um relacionamento com Rizoneide Pinheiro da Silva há cinco meses e já estavam morando juntos há cerca de um mês.

Manaus – O empresário Jucimar da Silva Paixão Leite, 37, se apresentou na presença de seu advogado, na manhã desta quarta-feira (28), na Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM), no bairro Parque Dez, zona sul da capital. Ele é suspeito de ter atirado contra a sua companheira, Rizoneide Pinheiro da Silva, 30, no último sábado (24), na casa onde eles moravam, no bairro Jorge Teixeira, zona leste.

Segundo o empresário, ele tinha um relacionamento com a vítima há cinco meses e já estavam morando juntos há cerca de um mês. No último sábado, eles tiveram uma briga, no qual, segundo Jucimar, a mulher jogou água quente nele e, para tentar se defender, ele atirou contra a sua companheira, que foi atingida no abdômen. Devido aos ferimentos, ela teve que ser levada ao Hospital e Pronto Socorro (HPS) Platão Araújo, onde ainda permanece internada.

O empresário relatou, em entrevista, que a relação do casal nem sempre foi conturbada, mas que a mulher não era uma pessoa boa e que agredia até os próprios filhos. Jucimar alegou, ainda, que Rizoneide era muito ciumenta, o que motivou a última briga deles.

“Ela queria me ofender com a faca, mas eu vim fazer o boletim, no início do mês. Nesse último sábado, ela jogou água quente em mim e eu tive que correr para me defender, porque ela ainda estava com uma faca. Por isso que aconteceu essa trajetória toda”, disse.

O suspeito relatou que, no dia do crime, ele não estava sob o efeito de bebida alcoólica. Após cometer o crime, ele fugiu. Jucimar alega que nunca havia agredido a companheira antes.

A delegada titular da DECCM, Débora Mafra, afirmou que a vítima também já foi ouvida. Em depoimento, ela relatou que Jucimar estava ameaçando-a com uma faca. Eles já tinham tido um problema no dia 5 de agosto, quando somente ele registou Boletim de Ocorrência.

“Ela disse que ele ‘abriu’ a cabeça dela nessa ocasião, mas ele diz que ela foi com uma faca para cima dele. Agora, que aconteceu esse fato no dia 24 de agosto, que foi o mais grave, ela alega que ele estava com uma faca, ameaçando-a, e ela, para se defender, jogou água quente nele e ele foi até o carro buscar a arma, tanto que parece que o tiro foi fora da casa, por isso temos testemunhas oculares da vizinhança”, afirmou.

De acordo com a delegada, a prisão preventiva em nome de Jucimar já foi representada junto a Justiça. Ele deverá responder por tentativa de feminicídio e por porte ilegal de arma de fogo, pois não tinha permissão para utilizar a arma.

“Como ele foi ao carro, pela versão dela, e pegou a arma, ele poderia ter entrado nesse carro e ido embora e não tentado ceifar a vida da vítima. Então, nós vemos, assim, uma desproporção entre o que ela fez e ele fez, porque, realmente, é difícil ser queimado, não vou tirar a dor dele, mas, ao mesmo tempo, não é dessa maneira que reage”, acrescentou.

Fonte: d24am

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui